Funjope intensifica diálogo nas comunidades sobre editais

Funjope intensifica diálogo nas comunidades sobre editais

A Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope) elaborou uma agenda de reuniões para tirar dúvidas dos artistas e agentes de cultura sobre os editais da Lei Paulo Gustavo (LPG). O trabalho conta com a parceria da Central Única de Favelas (Cufa), e os encontros começam nesta segunda-feira (2) e seguem até a quinta-feira (5) nas comunidades do Porto do Capim, Muçumagro, São José e São Luís, além da Citex.  

Funjope intensifica diálogo nas comunidades sobre editais

O diretor executivo da Funjope, Marcus Alves, ressalta que esse é um trabalho que está mobilizando toda a equipe da Fundação e também um conjunto de consultores que está trabalhando para fortalecer os editais da Lei Paulo Gustavo junto às comunidades periféricas.  

“Nós temos uma experiência de que os artistas da periferia, os pretos e pretas, das culturas populares e tradicionais são aqueles que têm mais dificuldade de acessar os editais. Por isso, estamos mobilizando uma força-tarefa para discutir, debater, orientar esses artistas para que eles tenham melhores condições de concorrência junto ao edital da LPG”, observa.  

Marcus Alves lembra que isso já era previsto dentro do plano do Escritório de Ideias que foi criado exatamente para isso, um conjunto de técnicos da Funjope faz busca ativa e se instala nas comunidades para ajudar no processo de elaboração de projetos e de melhoramento das pessoas com relação ao trato das informações sobre esses projetos.  

Com esta iniciativa, a Funjope pretende dar sua contribuição para que os profissionais da cultura construam seus projetos contando com orientação e garantindo que todos tenham condições de concorrer nos editais.  

Nesses encontros, os técnicos vão tirar todas as dúvidas, informar quem pode e quem não pode participar, número de projetos, como se inscrever, como ter acesso às plataformas, como preencher o formulário, como elaborar o projeto. Também vão explicar o que é um prêmio e o que é um fomento direto, além de outras informações.  

O início – A Funjope iniciou esse acompanhamento há cerca de dois anos, com a Lei Aldir Blanc, quando criou o Escritório de Ideias, que envolve a ida dos técnicos às comunidades, visitando e levando informações aos grupos de cultura sobre os editais, garantindo que mais pessoas entrem no processo de formação e de envolvimento com os editais. O processo também aconteceu em 2022 com os editais de ocupação da Casa da Pólvora, do Hotel Globo e do Casarão 34, e é um compromisso, junto ao Conselho Municipal de Cultura e os fóruns de cultura.  

Este ano, a Funjope reuniu a comunidade de artistas para discutir a LPG em cinco oitivas nos bairros de Cruz das Armas, Tambiá, Colinas do Sul, Tambauzinho e Mangabeira. Houve ainda uma reunião virtual. Os últimos dois encontros foram com os artistas envolvidos no Carnaval e com a comunidade do Roger, na Casa Pequeno Davi.  

Agenda – As reuniões começam no Porto do Capim, nesta segunda-feira (2), às 14h, na Associação do Porto do Capim. Na terça-feira (3), será na Associação Comunitária de Muçumagro (Acam), às 15h, na Associação Comunitária de Muçumagro (Acam), que fica na Rua das Cupiúbas, nº 63.   Para a quarta-feira (4), o encontro está marcado nas comunidades São José e São Luís, a partir das 15h, na Associação dos Moradores do São José. Já na quinta-feira (5), a reunião acontece na comunidade Citex, às 19h, na Rua Doutor Galileu di Belli, 448, Comunidade Citex, João Paulo II.        

últimas notícias

Categorias

Redes Sociais